top of page
  • Foto do escritorRoseli

A PESSOA MAIS INCRÍVEL QUE CONHECI, de Frederico Moreira


Na dedicatória, Frederico escreveu para mim: Espero que este livro te inspire a espalhar amor pelo mundo. Diz tudo e muito sobre essa obra de literatura juvenil. A narrativa envolve jovens adolescentes que se conhecem na escola exatamente naquele momento de inúmeras dúvidas; entre elas, as questões de gênero.

Em meio às atividades e às festas, esses jovens tentam um ‘encaixe’ projetando em outros a pergunta que sempre fica no ar: quem sou eu? Mais ainda, que é aquele outro com que convivo nesse cotidiano de bullying que se naturalizou.

Na leitura, o leitor vai tentando entender o porquê as nomenclaturas vão surgindo: serei lésbica? Sou assexual? Gay? De repente é como se sentíssemos que todas as diferenças se reuniram para um encontro nessa obra sem que o narrador desse juízo de valor a uma ou a outra. As diferenças desses adolescentes são todas iguais, são agruras de um corpo a ser descoberto.

Ao final, o autor nos brinda com um glossário. Tudo fica claro. Cada personagem vem acompanhado de seu nome e de sua identidade de gênero. Com delicadeza, Frederico Moreira inspira a espalhar o amor pelo mundo e traz vários alertas a respeito de como usar a linguagem: se você não faz parte da comunidade LGBTQIAPN+, não use termos que possam ferir ou serem mal interpretados. Lembramos aqui da obra recente de Santiago Nazarian, já comentada no Cultura em Foco: Veado assassino. A comunidade sabe como usar esses termos. Aos de fora, soam pejorativos.

Assista a live no YouTube do Instituo Legus

2 visualizações0 comentário
bottom of page