top of page
  • Foto do escritorRoseli

O SOM DO RUGIDO DA ONÇA



A obra de Micheliny Verunshk, que já ganhou vários prêmios literários, relata figurativamente a expedição de cientistas, um zoólogo e um botânico, ocorrida em 1817 no Brasil.

A narrativa foca um lado distinto dessa expedição, o fato de os cientistas terem levado para Munique duas crianças indígenas. A partir dessa indignação, a narradora lança mão da historiografia de forma que poderia ser tratada como irônica, mas que se revela uma trama composta de aparentes pontos de vista: o dos cientistas, o das crianças e de Josefa, uma mulher contemporânea que se reconhece nesses primórdios dos povos originários mesmo estando em pleno século XXI e dentro de uma exposição fotográfica de rostos indígenas.

A narrativa tem base em fontes históricas sem, contudo, se tornar relato historiográfico totalmente porque a linguagem da narradora é fluida, veloz e arisca como são as onças, assim como vai se transformando em onomatopeias dos rugidos. Inegável observar que, nesses momentos, a linguagem da obra nos remonta ao Grande Sertão Veredas, de Guimarães Rosa.

Esse rugido de onça ganhou o prêmio Jabuti de 2022. Confira!

E veja a live no canal do Youtube do Instituto Legus ou aqui na Cultura em Foco.

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentários


bottom of page