top of page
  • Foto do escritorRoseli

Teatro: O pai, de Florian Zeller


Le Père é uma peça do dramaturgo francês Florian Zeller que ganhou em 2014 o Prêmio Molière de Melhor Peça. Estreou em setembro de 2012 no Théâtre Hébertot, Paris, com Robert Hirsch e Isabelle Gélinas. No Brasil (2023), a peça, uma comédia dramática acompanha a relação entre uma filha e um pai idoso que começa a perder a memória, o pai é protagonizado por Fulvio Stefanini (vencedor em 2017 do prêmio Shell de melhor ator pelo papel).

Bastante perspicaz, o texto leva a plateia a vivenciar também aquilo em que o protagonista acredita; em algumas situações desse jogo da memória, chega a ser difícil dizer o que é realidade e o que é imaginação.

Em 2021, a peça recebeu adaptação para o cinema como Meu pai, em que o personagem é interpretado pelo ator Anthony Hopkins. Em ambas, adaptação e a peça, uma questão contemporânea se coloca: o esquecimento, o Alzheimer, que atinge muita gente uma vez que a população, no Brasil inclusive, envelhece a olhos nus. Outros pontos surgem do espetáculo: o patriarcado, o filho preferido, uma volta ao passado, a rabugice, entre outras.

Um papel desses cria asas se interpretado por grandes atores, caso do filme e da peça. A magnitude da pobreza da alma humana explode e o espectador firma a catarse porque se vê ali como em um espelho ainda que seja jovem. O futuro pode ser sombrio. Acompanhe a Live no Youtube do Instituto Legus

1 visualização0 comentário
bottom of page